No Mundo da Luna

29 outubro 2015



Ficha Técnica:
Título: No Mundo da Luna
Autor: Carina Rissi
Editora: Verus
Ano de Lançamento: 2015
Gênero: Literatura Nacional/Romance/Chick-Lit
Páginas: 476
Preço Médio: R$39,90

"Ele não era o príncipe encantado que eu havia esperado a vida toda. Definitivamente não era a pessoa certa para mim. Mas quer saber? Eu não queria a pessoa certa. Não queria alguém que chegasse no momento certo, que fizesse sentido. Não, eu queria a pessoa errada! Queria perder a cabeça e o sono, fazer loucuras das quais me arrependeria mais tarde, brigar, gritar para em seguida chorar e rir em seus braços. Queria alguém que gaguejasse por medo de me perder. Que me jogasse de um penhasco, me dopasse para me acalmar, preparasse comida intragável e que ainda me parecesse o melhor dos banquetes. Queria alguém que, de tão diferente de mim, me completasse." 

Eu estaria com certeza mentindo se dissesse que não esperava um livro no mínimo fantástico. Gente é a Carina Rissi! O que essa mulher escrever eu irei ler com certeza kkk. Depois de ter pirado com: Perdida, Encontrada, Destinado e Procura-se um Marido – todos com lugares especiais em meu coração – com certeza não é novidade eu ter caído de amores por No Mundo da Luna


Luna Braga é uma jornalista recém formada, que trabalha como recepcionista na renomada revista Fatos&Furos. A moça odeia cada minuto de seu emprego, não havia se formado para isso, mas como necessita muito do emprego não vê outra maneira de lidar com a situação. Acabou de sair de uma relação na qual foi traída com a vizinha, e ainda tem que lidar com a pressão da avó para aceitar suas raízes ciganas, sem duvidas a moça não se encontra em um de seus melhores momentos.

"Existem pessoas que têm sorte e conseguem trabalhar naquilo que gostam. E existem pessoas como eu, que chegaram perto, mas tão perto, que quase tocaram o sonho, só para vê-lo evaporar feito fumaça." 

Em tempos de crise e informações instantâneas os meios de comunicações impressos andam cada vez mais defasados, e para contornar isso a revista resolve abrir mão de alguns funcionários. Eis então que surge a oportunidade de Luna mostrar seu valor... porém não como ela esperava. Uma coluna de horóscopo! não era nem de longe o que a moça esperava, mas já era um começo, certo? porém ela não fazia ideia de como criar um mapa astral, só sabia que esse tipo de coisa era fruto da imaginação das pessoas ou pura pilantragem mesmo - mesmo sua família provando o contrário -.


" Vladimir, você sabe quem é esse tal cigano Google?" 

E para coroar tudo Luna ainda tem que lidar com Dante, seu chefe nerd, arrogante e mandão que nunca acerta seu nome. As coisas começam a mudar entre ambos depois de uma inacreditável noite de bebedeira. A partir de então sua vida começa a mudar completamente.

Uma das coisas que mais gostei sem duvida na história, foram os personagens. A avó de Luna é uma daquelas pessoas que eu realmente gostaria que existisse só para poder conhece-la, a amizade entre a moça e sua melhor amiga Sabrina também é muito bonita. E claro o mocinho desse livro é a coisa mais fofa do mundo - olhinhos brilhando - no começo ele até é um cretino, mas logo vemos sua verdadeira faceta.


Sem duvidas essa será minha resenha recordista de quotes, No mundo da Luna é uma leitura rápida, gostosa e incrivelmente engraçada. Leitura obrigatória para quem gosta de um bom Chick-Lit.

"Relacionamentos não admitem egoísmo. Individualidade e opiniões diferentes, sim. Egoísmo, jamais. A partir do momento em que um se preocupa mais com o próprio bem-estar do que com o do outro, a relação está com os dias contados." 

"A culpa é sua — ele acusou. — Não sei o que acontece, mas, quando você está por perto, não tenho vontade de quebrar o mundo todo. Só uma ou duas coisas. Acabei rindo. — Engraçado, comigo acontece o oposto. Sempre que você está por perto, tenho vontade de quebrar muitas coisas. Na maioria das vezes é alguma parte do seu corpo, mas acho que isso é irrelevante."


"Algumas pessoas não pertencem a ninguém além de si mesmas. E a beleza da coisa está aí. Elas nunca pertencerão, mas podem - e vão - escolher alguém para dividir as aventuras. A insegurança sempre nos faz querer, ter precisar, possuir, colecionar coisas ou pessoas, mas não seria melhor, em vez de possuir alguém, ser escolhido por esse alguém e ter a escolha também?" 

"Eu me sinto de muitas formas com você, mas, se fosse escolher uma única palavra para definir, eu diria que me sinto vivo. E gosto de me sentir assim. Então gosto de estar perto de você e, por consequência... gosto de você."

Nenhum comentário

Postar um comentário