Jennifer Souza - Entrevista

06 setembro 2016




L.E  – O que a incentivou a começar a escrever? 

Eu acho que foi algo que nasceu comigo, desde pequena eu gostava de livros e então quando meu pai me ensinou a ler descobri o mundo, assim que aprendi a escrever, passei a documentar em um diário tudo o que acontecia comigo, coisas bobas e cotidianas e na adolescência, quando descobrimos a paixão e os romances, bem...passei a inventar histórias e escrevi até algumas músicas tristes quando tive algumas decepções amorosas (kkk) por isso acho que nasceu comigo mesmo. E eu amo escrever.

L.E – Seus livros têm muitas cenas hot existe uma linha tênue entre a sensualidade e vulgaridade? 

Sim, existe. Confesso que no começo eu não via isso e posso ter ultrapassado essa linha nas primeiras obras, agora já amadureci mais e devo dizer que minhas obras evoluíram muito. Tento estudar muito e pesquisar muito e é claro, ler muito.

L.E – Você saiu um pouco de sua zona de conforto ao escrever Cicatrizes de uma vida. Como foi o processo da escrita, fale um pouco sobre o livro? 

Sim, saí mesmo. A maioria dos meus livros tendem a ser mais cômicos do que dramáticos, escrever cicatrizes me fez chorar muito e foi difícil no começo. Mas depois que escrevi ele mais uma janela abriu, eu vi que era capaz de muito mais, podia escrever muito mais que apenas “comédias românticas hot” kkk, ele me deixou mais sensível e isso me ajudou a melhorar e muito.

L.E – Nos conte qual o segredo da família Lennox fazer tanto sucesso e como surgiu a ideia de da série? 

Acho que a família Lennox conquista tanto as pessoas, por eles serem simples, ao mesmo tempo que são pessoas intensas, nos identificamos com eles, eles cometem erros como nós, eles sofrem como nós; são gente como a gente. E a ideia da série foi um sonho, literalmente. Eu dormi e sonhei com Logan observando a Nicolle tomando banho no lago, assim que acordei precisei escrever, sequer tomei café, apenas liguei o computador e não parei mais.

L.E – Você está como autora independente até hoje, ainda não encontrou uma editora ou prefere seguir nessa linha independente? 

Até encontrei algumas editoras, porém depois de muita análise decidi ficar sozinha por um tempo. Sozinha entre aspas, tenho uma equipe de revisão, diagramação e capa que são meninas ótimas e sou leal a elas. Então até que apareça uma oportunidade boa, vou me mantendo assim.

L.E -  Como é sua relação de autora com suas leitoras em seus grupos? 

Somos todas amigas, falo com elas quase todos os dias, exceto dias que estou muito cansada e só quero ficar quietinha, mas sempre dou um oi para elas, elas são maravilhosas e nos divertimos muito juntas.

L.E – Qual a rotina da Jennifer mãe de família? Nos conte um pouco de seu dia a dia.

Eu acordo de manhã, lá pelas 9 horas. Dou café da manhã para o meu filho, ele fica assistindo desenho enquanto eu tomo meu café (lendo algum livro); então pego o computador, vejo meus e-mails e começo a escrever o capítulo do dia, se der escrevo dois, mas como as vezes perco uma hora ou duas pesquisando, normalmente escrevo apenas um capítulo por dia; nisso meu filho está brincando com seus carrinhos. Então terminado o capítulo, almoçamos e descansamos um pouco, brinco com ele no pátio, leio um pouco mais, falo com as meninas do grupo e então lavo a louça. Á tarde eu faço curso de inglês online e então à tardinha o marido chega, eu faço o jantar e tudo mais, olho os e-mails novamente, falo com as meninas, crio cronogramas de postagens, jantamos e no fim da noite assisto séries no Netflix e leio um pouco mais, vou dormir lá pela 1 hora da manhã.

L.E – Fale sobre seus novos projetos:

Meus novos projetos, na verdade são os velhos. Pretendo terminar a série Lennox, que finaliza no livro 12, estou escrevendo em conjunto o 8 e 9 agora. E pretendo finalizar a trilogia atração fatal, que é de Devassa... e os projetos futuros...só tenho uma coisa a dizer...bombeiros; sim de cowboy vamos rumar para os bombeiros. Que tal?

L.E – Qual a maior dificuldade em ser autora independente?

Honestamente. A divulgação. Essa é a pior parte, quase sempre faço tudo sozinha, agora que consegui ajuda das leitoras, amigas e blogueiras. Mas essa é a parte mais difícil.

L.E -  Acredita que a literatura nacional vem ganhando mais espaça a cada ano? 

Sim, acredito. E tenho certeza que irá crescer muito mais com o passar do tempo. Temos muitas meninas e meninos talentosos por aí. E muitos outros a serem descobertos.


Nenhum comentário

Postar um comentário